IMUNO-HISTOQUÍMICA
PAINEL PROGNÓSTICO DE MASTOCITOMA

Laboratório de exames de imunohistoquimica e diagnóstico molecular. O mastocitoma canino (MTC) é uma neoplasia maligna constituída por mastócitos, que corresponde de 7 a 21% dos tumores malignos da pele do cão.O comportamento biológico dos MTCs é muito variável, podendo ser benigno com a cura pela excisão cirúrgica até uma doença metastática fatal.

Estudos realizados com técnica de imuno-histoquímica determinaram padrões anormais de expressão da proteína KIT (codificado pelo gene C-KIT) nos MCTs. Foram identificados três padrões de localização da proteína KIT em mastócitos neoplásicos, sendo eles membranoso, citoplasmático focal e citoplasmático difuso. Estes padrões foram correlacionados com a agressividade do tumor, sendo que os tumores com padrões citoplasmáticos focal e difuso apresentavam um prognóstico desfavorável.

Associados aos padrões anormais da proteína KIT, a avaliação da proliferação celular pelo Ki67 é também um importante fator prognóstico para os MTCs. Em nosso laboratório nós oferecemos um painel prognóstico para os MTCs utilizando os anticorpos CD117, Ki67 e tritptase (caso necessário). O exame é realizado no mesmo bloco de parafina utilizado para o diagnóstico histopatológico do mastocitoma.

Prazo de Entrega do laudo 10 a 15 dias úteis

Bibliografia.

Thamm DH, et al. Prognostic and predictive significance of KIT protein expression and c-kit gene mutation in canine cutaneous mast cell tumours: A consensus of the Oncology-Pathology Working Group. Vet Comp Oncol. 2019.


Sledge DG, Webster J, Kiupel M. Canine cutaneous mast cell tumors: A combined clinical and pathologic approach to diagnosis, prognosis, and treatment selection. Vet J. 2016.

Webster JD, Kiupel M, Kaneene JB, MILLER R, Yuzbasiyan-Gurkan V. The use of KIT and tryptase expression patterns as prognostic tools for canine cutaneous mast cell tumors. Veterinary Pathology 41:371-377, 2004.

Webster JD, Yuzbasiyan-Gurkan V, Miller RA, Kiupel M. Cellular Proliferation in Canine Cutaneous Mast Cell Tumors: Associations with c-KIT and Its Role in Prognostication. Veterinary Pathology 44:298-308, 2007.

Thompson JJ, Yager JA, Best SJ, Pearl DL, Coomber BL, TORRES NETO, Rafael, Kiupel M, Foster RA. Canine Subcutaneous Mast Cell Tumors: Proliferation markers and c-kit evaluation as prognostic indices. Veterinary Pathology 48:169-181, 2011.

Fonseca-Alves, CE; Bento DD; TORRES NETO Rafael; Werner, J; Kitchell, B; Laufer-Amorim, R. Ki67/KIT double immunohistochemical staining in cutaneous mast cell tumors from Boxer dogs. Research in Veterinary Science, 2015.

Horta SR et al. Assessment of canine mast cell tumor mortality risk based on clinical, histologic, immunohistochemical, and molecular features. Veterinary Pathology, 2018.

Gil da Costa RM. C-kit as a prognostic and therapeutic marker in canine cutaneous mast cell tumours: From laboratory to clinic. Vet J. 2015.

Laura D Garrett. Canine mast cell tumors: diagnosis, treatment, and prognosis. Veterinary Medicine: Research and Reports 2014:5, 49–58.

FerioliI RB, TORRES NETO Rafael, Alessi AC, Laufer Amorim R. Relação da expressão de fatores de crescimento celular (IGF-1) e SCF com fatores prognósticos e o alvo da rapamicina em mamiferos (m-TOR) em mastocitomas cutâneos caninos. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 33, p. 549-556, 2013.

Poggiani SSC, Amorim RL, TORRES NETO Rafael, Terra E M, Costa MT. Canine Cutaneous Mast Cell Tumor: Biologic Behavior and Its Correlation with Prognostic Indicators. Open Journal of Veterinary Medicine, v. 2, p. 255-261, 2012.

Laufer Amorin R, TORRES NETO Rafael, Pinczowski P, Rahal SC. Immunohistochemical evaluation of prostaglandin E2 and vascular endothelial growth factor in canine cutaneous mast cell tumours. Veterinary and Comparative Oncology , v. 8, p. 23-27, 2010.

TORRES NETO Rafael, Kitchell B, Amorim RL, Rahal SC. Cytoplasmic and nuclear morphometric parameters in cytologic preparations of canine cutaneous mast cell tumors. Brazilian Journal of Veterinary Pathology, v. 3, p. 93-99, 2010.

Pinczowski P, TORRES NETO Rafael, Fabris VE, Laufer Amorin R. Mastocitoma cutâneo canino: variação da graduação histopatológica entre patologistas. Clínica Veterinária, v. 77, p. 76-78, 2008.

Matilde KS, TORRES NETO Rafael, Pinczowski P, Calderón C. Correlação da cicloxigenase-2 e p53 com a graduação histopatológica dos mastocitomas cutâneos caninos. MEDVEP. Revista Científica de Medicina Veterinária. Pequenos Animais e Animais de Estimação, v. 6, p. 278-283, 2008.

Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011) com padrão KIT 1 (membranoso)
Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011) com padrão KIT 2 (citoplasmático focal)
Imagem do exame
Mastocitoma de alto grau de malignidade (Kiupel et al.2011) com padrão KIT 3 (citoplasmático difuso)
Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011). Índice de proliferação baixo pelo Ki67
Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011). Índice de proliferação alto pelo Ki67
Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011). HE
Imagem do exame
Mastocitoma de baixo grau de malignidade (Kiupel et al.2011). Índice de proliferação alto pelo Ki67
Imagem do exame
Mastocitoma de alto grau de malignidade (Kiupel et al.2011). Índice de proliferação alto pelo Ki67
Imagem do exame
Avaliação do índice proliferativo pelo Ki67, Fosfatase alcalina, Retículo de 10 mm x 10 mm/400x.
Imagem do exame
Mastocitoma cutâneo canino